quinta-feira, 11 de agosto de 2011

As nossas terras...

Terra de emigração, cais de saída durante muitas décadas, escoamento cruel das nossas melhores energias e afectos, quase mendigos de estranja, rapidamente sub-alugámos aquilo que melhor iludia o sonho e justificava o salto.

Eis-nos, agora, a vigiar as nossas fronteiras para que outros não ousem o que nós ousámos, nem nos perturbem como eventualmente perturbámos os outros. Irónica esta troca de tabuleiro, terreno demarcado de defesa acérrima quando nos pertence, e de coragem de invasão quando entramos em terra estrangeira.

Cada estrangeiro que entra em Portugal como imigrante, representa dez portugueses que fizeram e fazem exactamente o mesmo noutros países. Ou seja, somos pelo menos, dez vezes mais invasores que invadidos. Esta é a verdade que precisa ser olhada com justiça mas também em tom de humanidade que nenhuma lei expressa. É verdade que vivemos outros tempos, que os portugueses nunca lançaram bombas onde quer que fosse que, como emigrantes, somos um povo pacífico, digno e trabalhador como primeira definição. Mas não se pode apagar a história das permutas económicas, sociais e culturais que os fenómenos migratórios provocam.

Possivelmente são o sintoma mais visível da expressão que alguns julgam pusilânime: primeiro a pessoa, depois a pátria. Aqui, diga-se, ninguém como a Igreja – perita em humanidade – faz da teoria e da prática uma única realidade. Nos tempos de vacas gordas ou magras, num “Egipto” governado por faraó ou por José, filho do velho Jacob.

Faz-nos bem subir a um miradouro e ver a terra para além do nosso quintal. E a história para além das nossas histórias. E no Verão, recapitulamos estes contactos duplos com gente da nossa terra... e de outras terras que vivem na nossa.

Sem comentários: