terça-feira, 19 de abril de 2011

A Páscoa é:



O VOSSO CAJADO E O VOSSO BÁCULO …

O que nos torna cristãos é seguir Jesus. Nada mais. Este seguimento de Jesus não é algo teórico ou abstracto! Significa seguir os seus passos, comprometermo-nos com ele em «humanizar a vida», e contribuir para que, pouco a pouco, se vá tornando realidade o seu projecto, de um mundo onde reine Deus e a Sua Justiça. Isto quer dizer que os seguidores de Jesus estão chamados a introduzir a verdade onde há mentira, a justiça onde há abusos e crueldade, a reclamar compaixão onde há indiferença. Isto exige construir comunidades onde se viva com o projecto de Jesus, com o seu espírito e com as suas atitudes! Seguir assim Jesus, traz consigo conflitos, problemas e sofrimento. Quem O segue deve estar disposto a carregar com as reacções e resistências de quem, por uma razão ou por outra, não procura um mundo mais humano, tal como o quer esse Deus encarnado em Jesus. Querem outra coisa. Os evangelhos conservaram um chamamento realista de Jesus aos seus seguidores: «se alguém quer vir após Mim, tome a sua cruz e siga-me».

… ME ENCHEM DE CONFIANÇA!

Jesus não engana os seus discípulos. Se seguem a verdade, terão que partilhar a sua sorte. Acabarão como Ele. Essa será a melhor prova de que o seu seguimento é fiel. Seguir Jesus é uma tarefa apaixonante: é difícil imaginar uma vida mais digna e mais nobre. Mas tem um preço. Para seguir Jesus é importante «fazer»: fazer um mundo mais justo e mais humano; fazer uma Igreja mais fiel a Jesus e mais coerente com o evangelho. Contudo, é tão importante o mais «padecer»: padecer por um mundo mais digno; padecer por uma Igreja mais evangélica.

No final da sua vida, o teólogo Karl Rahner escreveu isto: «Creio que ser cristão é a tarefa mais simples, a mais simples e, ao mesmo tempo, aquela pesada «carga leve» de que fala o evangelho. Cada um carrega com ela, ela carrega com cada um, e quanto mais tempo se viva, tanto mais pesada e mais leve chegará a ser. No fim só fica o mistério. Mas é o mistério de Jesus!»

Sem comentários: