sábado, 11 de agosto de 2012

Aviso na Capela de Ponte de Telhe (12.08.2012)

Impõe-se neste momento uma palavra a propósito da conclusão da segunda fase de construção da nossa Capela de Nossa Senhora de Fátima de Ponte de Telhe. A obra está à vista de todos!

É uma obra belíssima, bem-feita, equilibrada e não consensual. Digo “não consensual” porque é assim com todas as obras. O sentido estético difere sempre de pessoa para pessoa, pelo que, se necessidade houvesse de agradar a todos os paroquianos, faríamos talvez umas 1.300 capelas. Porém, não tendo dinheiro para tal, fazemos apenas esta, que é já a nossa Capela, a Capela de todos os paroquianos da paróquia de Moldes, servindo diretamente os paroquianos sediados à volta do lugar de Ponte de Telhe e arredores.

Muito teríamos a agradecer, privada e pessoalmente, a todos os que se preocuparam e dignaram contribuir para a execução desta obra. Não faremos assim, pois esta obra é também de todos os que não se dignaram preocupar e contribuir para ela, bem como de todos os que desde a primeira hora subestimaram o esforço abnegado e feliz dos responsáveis e promotores do processo, bem como de muitos pobres e ricos desta paróquia e de outras circundantes, que entregaram dinheiro, tiveram atenções e incentivaram os principais intervenientes neste processo.

Foi um “parto difícil”, dirão muitos; outros, talvez, que “já devia esta feita”; outros, ainda, que “é um luxo”; outros, que “se fossem eles a mandar é que seria”; outros, que “tudo tem corrido muito bem e dentro dos prazos previstos”; outros, que “é obra…”; e por aí adiante… Eu diria que esta obra, que é de todos, é fruto do esforço de todos, mas de maior preocupação da Comissão Fabriqueira e Comissão de Culto, do senhor engenheiro Cruz, que nos deu um arrojado e harmonioso projeto, dos professores, funcionários e alunos da nossa Escola Primária, que nos emprestaram as suas salas para as nossas celebrações, da Junta de Freguesia de Moldes, que nos deu 5.000,00€, do senhor Joaquim Machado e seus funcionários, do Vítor, eletricista, da família que nos emprestou 14.000,00€, sem juros, para a obra de pedreiro da cripta, etc. Vedes como já fui injusto ao citar apenas estes nomes?!... Peço perdão aos outros!

E agora? Que faremos? Por alto, as contas são estas: A obra realizada custou 114.286,74€; em moeda antiga, diríamos, perto de vinte e três mil contos. Já pagámos 112.804,74€. Falta pagar, porque não temos dinheiro, a quantia de 1.482,00€, mais ou menos trezentos contos, em moeda antiga. Eu sei que, até ao Natal, receberemos 17.014,01€ de restituição de IVA do Estado. No entanto, se me fosse permitido sugerir, eu encaminharia este dinheiro para pagar à família, a quem se deve 14.000,00€.

Certamente já ninguém se recorda, mas em Maio do ano passado, portanto, há um ano, dois meses e doze dias, quando iniciámos esta obra, eu disse o que a seguir passo a citar: «De mãos abertas e estendidas, como a imagem de Nossa Senhora que veneramos na nossa Capela, é assim a nossa atitude para conseguirmos levar a bom porto este grande projecto da nossa paróquia de Moldes.»

Bendigamos ao Senhor! Graças a Deus!

Padre José Paulo de Sousa Teixeira

Consultar blog da Capela de Ponte de Telhe

Sem comentários: